Audi 100/A6

1990-1997 de lançamento

Reparo e operação do carro



Audi 100/A6
+1. Instrução de manutenção
+2. Manutenção
+3. Motores
+3.2. Motores diesel
+3.3. Remoção e partição de motores
+4. Esfriamento de sistema
+5. Aquecer-se e ventilação
+6. Sistema de combustível
+7. Sistema de escape
+8. Sistemas de partida, ignição
+9. Transmissão
+10. Sistema de freios
+11. Suportes de forma triangular de interrupção, dirigindo
+12. Corpo
+ 13. Equipamento elétrico
- 14. Dicas úteis
   14.1.1. Os números modificados
   14.1.2. Compra do velho carro ou conjunto de dados misterioso e cartas
   14.2. Durabilidade do carro
   14.3. Sobre paralelismo de pontes do carro e trailer
   14.4. Preparação do carro de inverno
   14.5. Não se adquire – dicas úteis
   14.6. Da modificação dos lugares "compostos" nada se modifica?
   14.7. Visita a serviço do carro
   -14.8. Motor
      14.8.2. Análise de fumaça de um escapamento
      14.8.3. "Come" muito, mas calmamente vai
      14.8.4. Um cinto de engrenagem do passeio de mecanismo de distribuição de gás
      14.8.5. Que necessidades conhecer-se, modificando o óleo
      14.8.6. Pistões
      14.8.7. Válvulas
      -14.8.8. Carregamentos
         14.8.8.1. Como o carregamento trabalha
         14.8.8.2. Como o carregamento arranja-se
         14.8.8.3. Quem faz carregamentos
      +14.8.9. A proprietários do carro com o motor diesel
      14.8.10. A proprietários do carro com o motor de injetor
   +14.9. Condicionador
   14:10. Turbocompressor
   +14:11. Coce-se em um – ou como salvar o catalisador
   +14:12. Acumulador
   14:13. Gerador
   14:14. Probuksovochka
   14:15. "Máquina automática"
   +14:16. Sistema de freios
   +14:17. Rodas e pneumáticos


03f74acd



14.8.8.1. Como o carregamento trabalha

INFORMAÇÃO GERAL

Em motores automobilísticos modernos como o suporte de dobrado e eixos quase só serve carregamentos instáveis. Rolar carregamentos (bola, rolo, agulha) aplica aos objetivos semelhantes só em pequenos motores de motocicleta.

A operabilidade necessária de carregamentos do escorregamento consegue-se pelo uso do assim chamado efeito de uma cunha de óleo. No momento da rotação de um cabo liso em uma fenda entre o cabo e um óleo inicial move-se. Como o carregamento que produz um cabo causa o seu turno excêntrico, óleo como se se arraste na parte estreitada de uma fenda e forme a cunha de óleo que interfere o contato de um cabo com paredes iniciais. Mais pressão e viscosidade de óleo em uma fenda, o grande carregamento (antes do contato de superfícies) mantém o carregamento de escorregamento.

A pressão real de óleo em uma zona de uma cunha consegue 50–80 MPas (500–800 kg/cm2), e em alguns desenhos mais. É cem vezes mais alto, do que no sistema de oferta. Contudo não é necessário pensar que a oferta de pressão influi na operação do carregamento um pouco. Ele é mais, mais intensivamente há uma extração por meio de bomba de óleo via o carregamento e o melhor ele esfriamento.

Abaixo de certas condições o modo operacional com a fricção mínima (também chama o líquido) pode quebrar-se. Acontece em ponizheniy à viscosidade de óleo (por exemplo, por causa do seu superaquecer devido à oferta insuficiente) e redução na frequência da rotação no aumento do carregamento.

Bastante muitas vezes, especialmente depois do reparo do motor, também a não-ótima geometria do nó afeta. Em um desvio insignificante de uma forma de superfícies do cilíndrico, no momento de um torcimento de machados e outros defeitos de detalhes o aumento possivelmente local do carregamento específico (que é o carregamento transportado à área de superfície) acima de um limite admissível. Então o filme de óleo nestas partes emagrece, e as superfícies de um cabo e o carregamento começam a estar contíguo em microasperezas. Há um modo do lubrificante semilíquido que se caracteriza pelo aumento da fricção e um aquecimento gradual do carregamento. Além disso pode levar à assim chamada fricção divisional com o contato cheio de superfícies que consequência superaquecer, skhvatyvany (importuna), a interferência, a fusão e a destruição do carregamento serão.

É claro, que na operação o modo da fricção divisional é inaceitável. No entanto aparece no momento da violação de recursos petrolíferos, e muitas vezes acontece por causa da sua falta em um caso, que é ou devido à superintendência do motorista, ou no dano do catre de um caso em consequência da chegada a um obstáculo.

O modo do lubrificante semilíquido é só admissível para um pouco tempo quando não consegue afetar o uso do carregamento. Um exemplo – lançamento do motor frio. Contudo, há outro perigo: no óleo de temperatura muito baixo de um mozheta para ser demasiado viscosa e a sua oferta normal restaura-se muito tempo (20–30 segundos e mais). Aqui o lubrificante já semilíquido é capaz para afetar o uso de detalhes consideravelmente.

A melhora de motores automobilísticos une-se com o crescimento constante da frequência de rotação e aumento no poder. O aumento na compacidade de desenhos, inclusive redução da largura e diâmetro de carregamentos observa-se ao mesmo tempo. Significa que a tensão específica cresce no nó. E como a carga do carregamento durante a operação do motor ciclicamente modifica-se no tamanho e a direção, lá é verdadeiro um assim chamado fracasso de fadiga de detalhes. Para fornecer a operabilidade de carregamentos em tais condições, os desenhos especiais, os materiais e as tecnologias necessitam-se.